domingo, 24 de junho de 2018

Há terra na planície da tarde


Que sirva de travão este silêncio
que te atiro feito gume de arma branca

e que recolhas as palavras que te fazem
parar a cada instante que alguém passa.

Porque podes despregar do que te encerra,
procura nos teus passos alavanca.


Há terra na planície da tarde. Muita terra.


Maria da Fonte

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Tac tac tac tac




nas costas da minha mão.
Não é relógio de pulso
nem  bater de coração.
É a máquina, é a linha,
é a voz do meu patrão.

Tac tac tac tac
mais à frente , mais atrás.
Os olhos como faúlhas,
cose que cose, rapaz.

 Tac tac tac tac
já tenho as pernas cansadas.
 Os moldes ficam tão alto,
subo e desço escadas.

Tac tac tac tac
feito um moinho de vento.
Faz-me poeira dos dedos
e nuvem do pensamento.

Tac tac tac tac
abaixo do coração,
onde cabia escondido
mais um pedaço de pão.


Tac tac tac tac
podia ser uma bola
e a baliza esta máquina
que me cose a camisola.

Tac tac tac tac
Tac tac tac tac
Tac tac tac tac
vai batendo sempre, sempre,
como o sol que aqui nasce 
e morre no ocidente.

Maria da Fonte

sexta-feira, 8 de junho de 2018

O mundo é de quem foi capaz de o encher



Pode ser que a noite me disfarce
o olhar e me abra o punho da revolta.

Pois que, no ar cansado da luz, o corpo arrefece.

E, até que o dia se volte a acender,
há tempo para debulhar histórias
e prosseguir até ao ponto mais frio do medo.


O mundo é de quem foi capaz de o encher.

Maria da Fonte



domingo, 3 de junho de 2018




Primeiro, o impossível procurei-o
no perfil das nuvens de algodão.

Sabia o céu de cor.

Depois, o dia envelheceu
e as noites pesavam como chumbo.

A imensidão do mundo é maior,
na minha oblíqua inquietação.

Maria da Fonte