domingo, 8 de janeiro de 2017

Manda-me outro lado da vida


Na terra dos outros,
calçam-nos sapatos alcatroados,
recortam-nos horas pelas costuras,
ajustam-nos tamanhos corriqueiros.

Uma casa de pedra, uma mesa redonda,
um chá que nos espera.

Se pela janela o infinito traz forma de tudo,
correm-se as cortinas.

A vida há de caber num fio de terra.

E, ainda que num abraço demorado,
treina-se o que quero.

Na terra dos outros,
Se eu fosse só eu, morria de desespero.

Maria da Fonte
Kumi Yamashita, as luzes e as sombras

5 comentários:

  1. Lindo poetar!
    "...Na terra dos outros/ Se fosse só eu, morria de desespero..." Amei!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
  2. Basta abrires a janela para te recolheres na profundidade do sentir.
    Belo, Maria da Fonte!

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Oh MARIA DA FONTE por onde andas, querida amiga?
    Na terra dos outros donde não te deixam saír?
    Como Maria da Fonte que és, abre todos os postigos e frestas para dares o teu grito até que o alcatroado se abra.
    Belíssimo poema, como já se espera!
    Abraço cheio de saudades!

    ResponderEliminar
  4. "A terra dos outros" é sempre chão de areia movediça.
    Precisamos de cautela, pisar com jeito.ao invés de sombra acendemos a luz. Beijinho

    ResponderEliminar