segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Contracorrente


Um dia
vincada de eras
e já caída de bruços,
o meu coração tem asas,
não cabe nos dias justos.

Um dia
contracorrente
e os meus dedos outono,
os meus olhos são distância,
talvez mais sonho que sono.

Um dia
em véspera de nada
e as horas soltas paisagem,
o meu corpo é fronteira,
a minha alma viagem.

Maria da Fonte
Imagem da internet

Sem comentários:

Enviar um comentário