quinta-feira, 30 de julho de 2015

A mão que te estendi

Levas tanta pressa nos olhos
e tanta ausência nos gestos.

Recusas soletrar as coisas a que pertences,
hipotecas aquilo que te dão.

E porque a noite chegou,
julgas saber o caminho de regresso.

Em que ângulo do olhar deixaste o coração?

Maria da Fonte

3 comentários:

  1. Boa tarde Maria,
    Que saudades da sua poesia!
    Muito belo este poema!
    Um beijinho.
    Ailime

    ResponderEliminar
  2. Ouvi o vento e a música
    Procurando um porto na madrugada
    Ouvi a chegada de um navio
    Julguei sentir uma voz amada

    Meu Armando, meu amor...
    Uma criança jogando lama ao meio dia
    Embrenhada e perdida na alma
    Com rimas colorindo pálpebras de nostalgia

    Doce beijo

    ResponderEliminar
  3. Ouvi o vento e a música
    Procurando um porto na madrugada
    Ouvi a chegada de um navio
    Julguei sentir uma voz amada

    Meu Armando, meu amor...
    Uma criança jogando lama ao meio dia
    Embrenhada e perdida na alma
    Com rimas colorindo pálpebras de nostalgia

    Doce beijo

    ResponderEliminar