quinta-feira, 31 de julho de 2014

Fragmentos



Daqui, deste mar, eu vejo a vida
até onde o olhar não pode mais.
Acerto o passo ao ritmo das ondas,
de vaga em vaga, vou divisando o cais.
E neste navegar ergo palavras,
levanto o reino de um tempo já perdido,
pressinto por trás das vagas outras vagas,
paro, descanso neste sigo, não sigo.


Maria da Fonte
Imagem da internet

1 comentário:

  1. Um poema lindo que revela uma certa indecisão porque o mar, tanto chega como parte, não te trás respostas concretas.Mas um dia tu descobrirás...
    Beijo e bom fds.
    Graça
    ao te trá

    ResponderEliminar