terça-feira, 2 de outubro de 2012

Canção do amanhã














As gaivotas já não voam na marina,
as papoilas já não crescem no meu chão,
os dias já calaram a canção
do coro dos meus tempos de menina.

E há multidão, mas estamos sós.
Não há mar, não há terra, não há mão
que nos traga as gaivotas que se vão
do olhar dos meus pais, dos teus avós.

A voz do meu passado esvaneceu,
o berço é pequeno para mim,
os dias que me trazem vão assim,
ao som de uma canção que já morreu.

O chão onde adormeces não é teu,
o sonho onde te enrolas foi levado,
em ti só há sombra do passado.
O presente que te deram, quem o viu?

Não chores, não tenhas medo, ainda há vento
E chão onde papoilas dão semente.
Se cultivares num campo um mar de gente,
é só regar de esperança o pavimento.

Levanta a tua fé, vem ter comigo,
também nós podemos ser o imenso mar,
subir bem alto ao céu, poder sonhar,
sem medo das alturas, do perigo .


Maria da Fonte
Imagem: lagoadoferro.blogspot.com

12 comentários:

  1. Um canto que, apesar do lamento do olhar e da alma, contém algo imprescindível: a esperança.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  2. Um convite, um encanto um doce lamento. Maravilhoso querida amiga. Adoro o que te sai da alma. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  3. Olá Maria, boa noite!
    Sou-lhe grato pela honrosa visita! Quem sabe, não se anime a divulgar no 2º Prosas Poéticas suas criações tal como esse magnífico poema que acabo de ler. Meus parabéns!
    Um abraço e volte sempre.
    Até mais!

    ResponderEliminar
  4. "Canção do Amanhã", trás um misto de tristeza e esperança que ao ler no silêncio da madrugada, envolve e acalanta.

    Lindo minha querida Maria.
    Parabéns pela sensibilidade de teu poetar.

    Beijos com carinho.

    ResponderEliminar
  5. Levanta a tua fé, vem ter comigo,

    Todo o poema é um convite ao entendimento, mas este remate é a conclusão mais acertada.

    Cada dia e em cada estrela existe sempre a esperança de um amanhecer de um reencontrar-se e ser feliz

    ResponderEliminar
  6. BONITO POEMA ONDE FICA A ESPERANÇA, QUE CADA UM A AGARRE!!!

    OBRIGADO MINHA QUERIDA PELA VISITA AO MEU ESPAÇO!!!

    AQUI DEIXO A MINHA RESPOSTA LÁ COLOCADA POR PENSAR QUE SÓ ASSIM CHEGARÁ AO SEU CONHECIMENTO!!!

    MARIA DA FONTE

    MINHA AMIGA!!!

    É MESMO EU GOSTO DE MOSTRAR OS LOCAIS POR ONDE CAMINHO!!!

    PORTUGAL TEM DE SER MOSTRADO!!!
    VALORIZADO!!!
    É O QUE NOS RESTA... PARA ALÉM DE TODA ESTA CORRUPÇÃO... DESGOVERNAÇÃO... E TUDO O MAIS QUE VEM ATRÁS...
    PORQUE A PARTIR DE AGORA, NÃO Á NEM PARA A CONSERVAÇÃO... E VAI PASSAR MUITA COISA A DEGRADAÇÃO!!!

    OBRIGADO PELA VISITA!!!

    1 BEIJINHO LÍDIA

    ResponderEliminar
  7. Olá amiga,
    Um poema belíssimo em que cantando o presente anuncia a esperança num futuro mais promissor.
    "Levanta a tua fé, vem ter comigo,
    também nós podemos ser o imenso mar,
    subir bem alto ao céu, poder sonhar,
    sem medo das alturas, do perigo . "
    Sublime! Também quero avançar sem medo…e acreditar!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  8. Pensei no seu blog e deixei um mimo para você no artes e escritas. O desafio não é obrigatório, mas espero que gostes da lembrança. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
  9. Olá Maria, bom dia!
    Vim para me deleitar com suas magníficas postagens, e aproveito pra lhe deixar, além do meu abraço, os votos de um final de semana esplendoroso.
    Sejas feliz e até mais!

    ResponderEliminar
  10. Um cântico sofrido mas de uma terna esperança.
    Quem não sonha, não sobra coração para continuar a lutar...
    Por isso iremos todos contigo neste coro da tua fantastica poesia com uma forma irrepreensível num conteúdo brilhante
    Lindíssimo
    Abraço querida amiga

    ResponderEliminar
  11. Amargo e doce, mas o desejo de voltar a poder sonhar.
    Soberbo querida amiga
    Abraço

    ResponderEliminar
  12. A canção, é do amanhã...
    mas, na essência, na forma,
    é de outrora! Bela e doce...
    Obrigada!

    Um abraço.

    ResponderEliminar