quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Um sonho humilhado















Deslizo em mim, tal curso de um rio
espargido em desejos transparentes.
Trago nas veias o asseio
da branda inocência.
Regresso ao ventre da candura,
mergulho na balsâmica esperança
de um mundo pensado.
Sou vertigem cingida por um mar encantado,
o olhar absorto de um sonho… sonhado.

Desperto, sufoco no viscoso real,
onde os dias gotejam ao ritmo da dor.
O sonho enjoou, o mar regurgitou, a terra morreu…
Aqui, tu e eu, um olhar incolor.
Um ontem sem rosto, um hoje calado, um amanhã cadáver…

Um sonho humilhado.

Maria da Fonte
Imagem da internet

14 comentários:

  1. Um amanhã sem se saber se o haverá. Como é que os nossos filhos e netos conseguem seguir em frente. Um sonho tão dolorido. Maravilhoso minha amiga. Amei demais. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  2. Triste saber que nossos sonhos com o futuro, estão cada dia mais difíceis de se realizarem.
    Uma poesia de dor, mas linda.

    Beijos Maria.
    Tenha uma boa noite.

    ResponderEliminar
  3. Fico feliz em perceber que certas pessoas,
    como nós, têm a capacidade de reconstruir para recomeçar.
    Isso é sinal de garra e de luta, é saber viver, é tirar o
    melhor de todos os passageiros.
    Agradeço a Deus por você fazer parte da minha viagem,
    e por mais que nossos assentos não estejam lado a lado,
    com certeza,o vagão é o mesmo.
    Com saudades desejo um feliz Domingo,
    beijos na sua alma carinhosamente,Evanir.
    A Viagem..

    ResponderEliminar
  4. Maria,
    Belíssimo poema que me arrepiou pela sensibilidade que emerge das suas palavras que tão bem reflectem um estado de espírito, do qual comungo inteiramente.
    Muito obrigada pela generosidade do seu comentário no meu canto.
    Beijinhos!
    (Na sua poesia encontro a alma de muito do que sinto e que não sei descrever).

    ResponderEliminar
  5. A sua poesia, toca o mais profundo de mim. Nela, o triste e o belo se mesclam, de tal forma, que me encantam e me fazem sonhar um sonho real.
    Que a semana seja plena de poemas....
    Um beijo,Maria da Fonte,
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  6. Tão lindo poema!
    Passei e vou passar a ficar!
    Bjis

    ResponderEliminar
  7. Se pensarmos a fundo é um triste sonho que acontece tantas vezes por aí. Mas tornou-se belo com a sua descrição! Bj!

    ResponderEliminar
  8. Bom dia Estive aqui ontem mas o cansaço já me impediu de continuar.
    Um poema de carne e osso. O amor que nos percorre e nos anima de um modo que só a poesia com a sua liberdade sabe cantar sem ofensa.

    ResponderEliminar
  9. Quantos sonhos, acabados, humilhados, há em nós...
    Mas há sempre algum que vinga.

    Adorei este poema, lindíssimo!
    Beijo
    Sónia

    ResponderEliminar
  10. Que lindo e que triste, mas profundo reflexivo poetar.
    Que os sonhos sejam infinitos e que as realizações sejam possíveis...beijinhos no coração e tudo de bom sempre.

    ResponderEliminar
  11. Querida Amiga,
    "Desperto, sufoco no viscoso real,
    onde os dias gotejam ao ritmo da dor." além de uma metáfora de "profissional", toda a poesia é de uma cor estonteante. O Olhar incolor(lindo!) tem como horizonte a ESPERANÇA!
    Sabes? PARABÉNS!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Forte e intenso!

    Obrigada pela visita

    Saudações

    ResponderEliminar
  13. De folhas de Outono se coroa uma tonta
    Lancei pedras sobre as ondas furiosas
    Teimosamente arde neste peito uma raiva
    E vi muito lixo num covil de raposas

    As coisas que um poeta vê
    As coisas que que invadem uma alma demente
    Num silencio contaminador, estonteante
    Ouvi palavras de amargo presente

    Cheguei finalmente a uma certa praia
    Fiquei encoberto por uma mancha de gaivotas
    Na impressionante fachada da minha alma
    Fecham-se com estrondo todas as portas


    Doce beijo

    ResponderEliminar