segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Sinfonia


A noite desceu em mim
fez-se silêncio na alma
o mundo soou baixinho
em suave sintonia
segredou-me os meus desígnios
e os medos que ao longe via
e eu tinha todo o tempo
do tempo que me fugia.

Tudo ali proferia
uma cadência sacral…
o mundo, a melodia;
eu, a nota musical.




















Texto: Maria da Fonte
Imagem: aventuradover.fotosblogue.com

7 comentários:

  1. Momentos assim são únicos.
    Poema muito bem conseguido!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  2. Uma verdadeira sinfonia de palavras.
    Fizeste mais um magnífico poema.
    Gostei imenso.
    Querida amiga, tem uma boa semana.
    Beijo

    ResponderEliminar
  3. Há uma verdadeira sinfonia nocturna que só poucos entendem... Lindo!
    Beijo
    Graça

    ResponderEliminar
  4. Reli com agrado. Porque, na sinfonia da vida, nós somos mesmo as notas, desafinada ou não.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  5. Belíssimo poema amiga.
    O silêncio e a noite cúmplices para nos encontramos na nossa própria sinfonia.
    Um beijo.
    Ailime

    ResponderEliminar
  6. Nada melhor que o silêncio e a noite para nos
    encontrarmos connosco próprios.Gostei.
    Beijinhos
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  7. Ontem ouvi ao longe um saxofonista tocando O Silêncio, calei-me de tão lindo. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar