terça-feira, 22 de maio de 2012

Não desisto



Embato em labirintos de saber,
onde os reflexos se multiplicam ao infinito.
Não me encontro nessa imensa babilónia
e tenho medo das trevas do meu grito.

Somos tantos e tantos nos espelhos,
das folhas que alicerçam o desmedido,
a querermos uma árvore colossal,
carregada de ilusão e de sentido.

E é nesta vastidão onde me abrigo,
como um mendigo envolto em sofrimento,
que eu me levanto, caio, digo e desdigo,
mas não desisto da torre em movimento.

E mesmo que as paredes majestosas
esmaguem o meu pequeno grão de areia,
não desisto do labirinto das histórias
nem me desvio do canto das sereias.






Texto:Maria da Fonte
Imagem:pnlblogue.blogspot.com



7 comentários:

  1. Não desistir, é a chave de muitos sucessos.
    Excelente poema, gostei imenso.
    Beijo grande, querida amiga.

    ResponderEliminar
  2. Maria, é um GOSTO lê-la.

    MARAVILHOSA, leitura. MARAVILHOSAS, palavras.

    Inté

    ResponderEliminar
  3. Olá Maria,
    Muito intenso e belo o seu poema.
    O segredo está mesmo em não desistir de construir a torre.
    Beijinhos,amiga.
    Ailime

    ResponderEliminar
  4. .


    Que bom que você gostou
    daquele Bar, ponto de
    encontro. Pena que lá eu
    só escreve nos dias 23
    de cada mês.

    Portanto, só no mês que
    vem nos encontraremos por
    la. Isso não a impedirá
    de ir ao blog do Palhaço
    Poeta,
    não é?
    Um grande beijo e obrigado.

    silvioafonso





    .

    ResponderEliminar
  5. .


    A beleza do poema e a distri-
    buição das fotos e dos textos,
    que se encaixam, fazem do seu
    blog o mais conciso, o mais
    bonito.

    Um beijo,

    Palhaço Poeta





    .

    ResponderEliminar
  6. Não desistir é uma teimosia saudável, na maioria das vezes. Eu te deixo o mimo do coelho dos blogs adoráveis, gosto de te ler. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada por esse miminho tão delicioso. beijinhos

      Eliminar