quarta-feira, 7 de março de 2012

Mulher














E quantas Joanas d`Arc eu conheci
Escondidas em outeiros de labor.
Traziam ao redor das suas saias
Os olhos auspiciosos de um tempo,
Um exército alimentado do suor!

E quanta coragem ali vi, num corpo
Moribundo, degolado,
Arqueado pelo peso da dor,
Com o mundo no ventre dilatado!
E caminhavam sobre um piso oblíquo,
Pernas e mãos a equilibrar a sorte
Que lhes saíra no dia em que nasceram
Mulheres franzinas, subalternas, menos fortes.

E os homems que carregaram, agradecidos,
Tiraram aos seus dias um apenas,
Ofertaram às mulheres desconhecidas
Com um ramo de tulipas e açucenas.

Maria da Fonte

1 comentário:

  1. Eu também conheci algumas Joanas D'Arc queimando no meio da rua.

    ResponderEliminar