domingo, 11 de setembro de 2011

Despedida




Ontem não me vi
Na minha alma,
O corpo afastou
O seu vibrar.
A luz,
Embalo do meu sonho,
Deixou o meu berço
Congelar.
Achei-me perdida
Noutro leito,
Aconchegada em sonhos
Acabados.
Cruzei o presente
No meu peito
E descansei sob lençóis
Gelados.

1 comentário: